Tuesday, April 6

Ai, será?


Se eu não sou a pessoa mais indecisa do mundo, estou na lista das dez mais. Escolher a roupa para ir pra faculdade todos os dias é uma dificuldade enorme, nunca sei qual fica melhor ou pior. Escolher a roupa da festa então, nem se fala. Um sacrifício enorme. Comprar um presente também é horrível, penso umas mil vezes antes de decidir o que levar. Quase sempre estou em dúvida, a minha balancinha dificilmente se desequilibra. Minhas decisões normalmente são tomadas pela minha intuição ou por influência. Muitas vezes eu quebro a cara, e quebro feio. Mas por outro lado, já acertei muitas vezes também. Por isso não me preocupo com o fato de que a pergunta que predomina a minha cabeça seja: “Ai, será?”.

Será que o primeiro passo é o certo? Será que o segundo que é? Será que vale a pena? Será? Nem adianta vir me dizer aqueles velhos clichês de que “só eu sei a resposta”, porque eu nunca sei. Não sei nada, não sei escolher. Mesmo. Passo noites em claro pensando em coisas nas quais nem deveria perder meu tempo. Dou importância demais para coisas pequenas, transformo o simples em complicado. Às vezes acho que não vai ter jeito, mas também não tenho coragem de desistir. Quero mudar, mas tenho medo de mudar o que estou acostumada, mesmo que esteja desconfortável.

Não estou tendo uma crise existencial ao escrever esse texto. Essa complexidade toda é minha, é o meu jeito de ver a vida. E, apesar de ser chato me ouvir perguntar a mesma coisa um milhão de vezes (“Ai, será?” “Será?” “Será?”), até gosto de ser assim. Adoro viver intensamente e lembrar de tudo. E na maioria das vezes essas lembranças são sem arrependimentos. Posso até imaginar o que teria acontecido se eu tivesse escolhido B ao invés de A, mas dificilmente me arrependo. Sempre encontro um porque da minha decisão. E o mais legal é que eu cresço e amadureço em cada ganho ou perda, de um modo ou de outro.

Enquanto eu tento manter o foco e dormir, lembro da melhor opção, mas aí vem a perguntinha “Ai, será?”, a gastrite nervosa e eu perco o sono. Mas logo dou um jeito de me acalmar, pois sou jovem demais e tenho muito tempo para errar. Se tudo der errado, de algum jeito dá para consertar numa boa. Então o "Será" se resolve bem rápido. Mas confesso que ainda acho complicadíssimo ter de escolher entre o sapato preto maravilhoso de uma loja e o de paetês da outra. Sou indecisa mesmo, e daí?

1 comment:

Aline said...

'Se eu soubesse antes o que sei agora
erraria tudo exatamente igual...'

Pessoas complicadas são mto mais interessantes. Ter certeza de tudo sempre é chato --' .

Lov u ;*